notíciaRecuperação judicial no setor de serviços cresceu 15% em outubro, diz Serasa Experian

7 de dezembro de 2020

Os pedidos de recuperação judicial tiveram queda de 20,2% em outubro deste ano, no comparativo com o mesmo mês do ano anterior, mesmo em meio a um contexto de recuperação da economia após a crise causada pela pandemia do novo coronavírus.

A queda geral, de 124 pedidos em outubro de 2019 para 99 pedidos em outubro deste ano, foi puxada pela indústria (de 28 pedidos para 14) e pelo comércio (de 32 pedidos para 22 requisições) no período.

Por outro lado, no setor de serviços, o total de pedidos de recuperação na Justiça cresceu 15% frente ao mesmo mês de 2019, de 47 pedidos para 54.

Segundo o economista-chefe da Serasa Experian, Luiz Rabi, isso se deve à maior fragilidade do setor diante do isolamento social imposto no combate à covid-19.

“Como muitos negócios deste segmento dependem do atendimento a vários consumidores ao mesmo tempo, como bares, restaurantes, turismo, cinemas e teatros, suas ações foram seriamente impactadas e, com isso, muitos optaram pela recuperação judicial para evitar encerrar as atividades”, ele explica.

O número de pedidos de falência também caiu em outubro, à proporção de 30%, com 96 pedidos no total. O maior volume, neste caso, esteve entre as micro e pequenas empresas, com 58 solicitações de falência.

Já no acumulado do ano até o final de outubro, segundo o levantamento, foram 539 solicitações de recuperação judicial no país no setor de serviços, contra 435 no mesmo período do ano anterior.

No total de pedidos recuperação em todos os setores, 2020 apresenta queda de 8,7% na comparação com os dez primeiros meses de 2019.

Considerando os dados de setembro de 2020, as requisições de recuperações judiciais tiveram um aumento de 13,8%, indo de 87 para 99. Na análise mensal, as médias empresas impulsionaram a alta, passando de 19 para 30 pedidos no período.

Fonte: Valor Investe

Siga o Sartori Advogados nas redes sociais