notíciaSaraiva entra em Recuperação Judicial

25 de novembro de 2018

A livraria Saraiva anunciou na última sexta-feira que ajuizou o pedido de Recuperação Judicial junto à 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Foro Central da Comarca de São Paulo. A companhia disse no comunicado à Comissão de Valores Mobiliários – CVM, que a decisão se dá para a reorganização das “obrigações” junto a seus credores.

A companhia optou por esse movimento devido à necessidade de buscar proteção para a repactuação de seu passivo e de sua controlada, Saraiva e Siciliano, junto aos seus fornecedores, e garantir a perenidade da operação.

“A Saraiva tem tomado diversas medidas para readequar seu negócio a uma nova realidade de mercado, com quedas constantes no preço de seu principal produto, o livro, e aumento da inflação”, explica.

Desde o início deste ano a Companhia vem propondo, sem sucesso, a renegociação de seu passivo com os fornecedores. Em decorrência do agravamento de sua situação, a Companhia julga que a apresentação do pedido de Recuperação Judicial é a medida mais adequada nesse momento, no contexto da crise no mercado editorial, reflexo do atual cenário econômico do país. O objetivo da operação é proteger o Caixa, fazendo com que a Companhia retome sua estabilidade e, posteriormente, seu crescimento econômico, bem como garantir a preservação da continuidade de sua operação nas lojas físicas e e-commerce.

O total de débitos da Companhia e do Varejo informado no pedido de Recuperação Judicial soma, aproximadamente, R$ 675 milhões. O plano de recuperação será apresentado aos credores em breve.

A Recuperação Judicial não altera, de forma alguma, o funcionamento do Varejo, que segue, na data de hoje, com 85 lojas físicas em todo o Brasil e com sua operação de e-commerce, um dos maiores canais de comércio online do País.

A Saraiva é uma companhia com 104 anos de história e detém uma das maiores redes varejistas de educação, cultura e entretenimento do País, presente em 17 estados brasileiros e no Distrito Federal, além da relevante operação de e commerce que cobre todo o território nacional.

“A Companhia participa ativamente da vida de crianças, jovens a adultos, e seguirá acreditando na transformação das pessoas por meio do acesso à cultura e educação e na leitura como um dos pilares essenciais para o desenvolvimento do Brasil”, fecha o comunicado.

Fonte: Último Instante

Siga o Sartori Advogados nas redes sociais